23 de set de 2011

DÉTOURNER

NINO BELLIENY
No dia do desencontro nada acontece, tudo desacontece
A vida se separa em pedacinhos sem cor
No dia do desencontro ganha um ponto quem tem que compreender tudo
Sendo proprietário da melhor imaginação que não se vende nem se compra
E com ela escrever um conto sem fim.
Será longa a tarde do dia do desencontro
Um mergulho no espelho das contradições
Sentir-se tolo
Sentir-se vago
No menos, a noite do dia desencontrado será pior
Não ouvir a própria voz, não dançar a música amada ,
Não beber vinho, dele tendo apenas o branco onde as palavras não surgem
Na noite do desencontro ser poeta ou coisa desaparecida é ter cansaço
De tudo, de todos, de si.
Só a primeira flor traduzindo a primavera
Pode derrotar o dia do desencontro
Pelo menos por alguns dias a vida voltará a ser jardim.

Um comentário:

PERA LARANJA disse...

TRADUZIR DE FORMA TÃO LINDA UM MOMENTO TÃO TRISTE, FAZ A TRISTEZA ATÉ PARECER BONITA!!!

#NAOEPRAQUALQUERUM

ABÇS!!!