11 de nov de 2011

OCEANÁRIO

NINO BELLIENY

Dias sem preocupação e noites sem fim
Nossas vidas emendavam um verão no outro
Inverno era só um tempo para remover montanhas
E ter os sonhos mais próximos da gente.

Hoje sinto a tua falta.
Um arame farpado que perdeu o grampo
Águia longe do ninho
Uma impressora sem tinta.

Fomos atores de um longo filme
Cheio de drama, ação e comédia
Trilha sonora bonita e adequada
Não havia possibilidade de tragédia.

Hoje sinto a tua falta.
Gato sem telhado
Golfinho longe do oceano
Um violão sem cordas.

Finjo não estar nem aí
Nem aqui
Em lugar nenhum

Ninguém vai perceber na minha cara de orgulho
A tua falta.

Não é preciso.
Só eu sei o quanto chia na chapa quente
A tua falta.

Um comentário:

Anônimo disse...

Cada um melhor que o outro!!!!