19 de ago de 2012

A dor do outro bate em mim. A lágrima estranha não me é.
Todos os sentimentos se misturam na betoneira. Concreto se arma e a casa se ergue na divina agonia dos humanos que são humanos demais. E só estes, verdadeiramente, são felizes. A indiferença, fingida ou real, são brasas de infernos particulares. Nestes eu não me queimo.
Nino Bellieny

Nenhum comentário: